Thursday, February 7, 2013

A prova de cálculo I

É interessante como o conceito que temos de nós mesmos pode mudar de uma hora para outra.

Dia desses estava relembrando como foi ter passado no vestibular e de como foi ter tirado aquele peso enorme das costas. A pessoa sente um alívio tão grande que por uma fração de segundo ela quebra as leis da física e flutua.

E eu, como sou de carne e osso (e antigamente era mais osso do que carne), me senti uma das criaturas mais inteligentes do mundo! Eu estava toda cheia de orgulho de mim mesma! E na verdade eu tava mesmo era um porre de se aguentar.

Porque ninguém sabia nada, só eu era a sabida. Porque ninguém entendia nada, só eu que era a especialista. 

E a insatisfação nos relacionamentos com as outras pessoas estava ficando insuportável não somente para elas, por terem que me aguentar, mas principalmente pra mim, que tinha que conviver com as limitações alheias... E nossa! Como eram limitadas!

Dai que as semanas foram passando e chegou o dia da prova de Cálculo I.

Lembro até hoje o nome da professora (Margarida) e do chinelinho que ela usava TO-DOS-OS-DI-AS. Era uma mulher pequena e magrinha, mas não era nada doce. Porque essas professoras são assim? Quanto menores, parece que são piores. Porque semestres depois tive outra que, pra ajudar, era pior do que essa umas 3 vezes... deve ser aquela história de ter nos menores frascos os melhores perfumes, no caso, os melhores venenos.

Essa é a melhor de todas!!!
E a prova foi e o resultado veio. 1,5. Nunca na história desse país da minha vida eu tinha tirado uma nota tão baixa.

E foi ali, naquela sala do ciclo básico, que eu levei o maior tombo da minha vida. Tombo moral mesmo (antes tivesse sido físico), porque ali, diante daquela prova com "X" e bolinhas contornando meus erros pra tudo que era lado (que eu achei até que precisaria dar outra caneta vermelha pra professora), eu me senti a criatura mais burra do mundo!

E teve gente que tirou 9,0. E eu (junto com mais uns 80% da sala) tirei 1,5. E o costume de ser uma das melhores alunas da escola (mesmo sendo uma das mais bagunceiras) estava com os dias contados. Isso porque eu iria deixar de fazer bagunça (no caso da faculdade não seria fazer bagunça, mas sim matar aula)? Não! Porque eu deixaria mesmo pra lá essa história de ter que ser a primeira da sala... e já ficaria feliz de verdade com meu "cinco-bola" (pra quem não sabe e já vai levando a expressão "por trás", cinco-bola = 5,0).

E depois disso eu deixei de ser escrota e parei de achar que eu era a última bolacha recheada do pacote. Essa bolacha era mesmo o cara do 9,0.

Mas, sinceramente? Mesmo quebradinha, esfarelada ou mordida... o importante era fazer parte do pacote!!!


E eu estava lá!!!



26 comments:

  1. ahahaha,adorei...realmente,a gente não precisa ser a última bolacha do pacote, só em fazer parte dele já é.... a glória!!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Pois é.. e confesso que as bolachas do meio se divertem muito mais..heheheheheh
      bjoksssss

      Delete
  2. Que postagem legal! Sabe que essa ocorrência de humildade eu também tive. Foi exatamente 1,50 de Cálculo I. A diferença é que o responsável era professor, era famoso, com livros publicados e não se rebaixava a conversar com a gentalha que é aluno. Bem, claro que não gostei, mas em compensação aprendi a tocar violão e até cheguei a fazer sucesso na salinha do Diretório Acadêmico, kkk.
    Beijos
    Manoel

    ReplyDelete
    Replies
    1. hahahaha... e eu aprendi a jogar sinuca! E olha que eu conseguia tirar muito marmanjo da mesa!!! hahahahaha
      Realmente o 1,5 valeu a pena!
      bjoksssss

      Delete
  3. Muito eu essa postagem!
    Até hoje me lembro com ódio, digo, carinho do meu primeiro 0,0 (zero mesmo) numa prova de física e, depois desse veio outro, e outro. Nunca havio perdido média no semestre, mas pra tudo tem uma primeira vez! Hahahaha

    ReplyDelete
    Replies
    1. Pois é Anelise, tudo bem a primeira vez e essa a gente nunca esquece... hahahahahaha
      bjoksssss

      Delete
  4. veja pelo lado bom e tire uma lição ;)
    adoro seus textos.


    Tem uma promoção rolando lá no blog, participe ;)
    http://rackneves.blogspot.com.br/search/label/SORTEIO?&max-results=5

    bjs
    @RaCk__
    http://rackneves.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu tirei... preferi ir pras festas do que ficar em casa me matande de estudar... hehehehe com 5.0 já tava tudo certo! hahahah
      bjpkssssss

      Delete
  5. O importante é que o sorrido da Trakinas continua ai rs

    Kisu!

    ReplyDelete
    Replies
    1. É verdade..rs.. o fígado é que já não se encontra nas condições iniciais..rs..
      bjoksss

      Delete
  6. maldita hora que a gente descobre não ser perfeita, né??

    ReplyDelete
    Replies
    1. Pois é.. mas hoje eu já me acostumei e num to ligando muito mais não.. como disse um cara que foi dar palestra no cursinho que eu fazia (antes de passar no vestiba) "o cara que ficou em 1º entrou... e o cara que ficou em 80º também entrou. Você não precisa ser o 1º"
      Fez tanto sentido... hahahahahahaha
      bjoksss

      Delete
  7. Caramba Miss bellum.. Passei pela mesma coisa!!Não me achava muito inteligente assim, mas pensava que entraria na faculdade e conseguiria tirar pelo menos uma nota que preste...E ploft!Caí do cavalo!!E bem, você foi bem na prova de cálculo...hahahaha.. a primeira que eu fiz tirei menos que 1,0!!e ninguém tirou notão!!kk!!foi maior chororô na época..geral ia mal e geral repetiu,inclusive eu!!Mas serviu pra alguma coisa..rs
    Me importava com nota quando era novinha mas depois desse episódio, me importo em passar e não esquecer o que aprendi..haha
    É como diz o ditado: vivendo e aprendendo..rs

    ReplyDelete
    Replies
    1. Pois é Emilyn, hoje em dia eu já não ligo mais. O importante é conseguir alcançar os objetivos mas sem deixar de aproveitar a vida.. aproveitar o que já se tem.
      Depois disso eu estudava.. mas também aproveitava a vida... passando na matéria já tava bom de mais..rs..
      bjoksss

      Delete
  8. HAHAHA! Eu poderia escrever esse texto como: A prova de Penal IV. Também tirei 1,5. A diferença é que foi no 6º semestre e eu já estava consciente de que era a bosta da bosta, como diz a Natália... kkk

    ReplyDelete
    Replies
    1. o choque é maior quando vc ainda acha que não é a bosta da bosta..rsrsrsrsrsr

      Delete
  9. Eu não sou uma Trakinas, eu sou uma Bono de chocolate... =)
    Mas eu tirei 0,5 na minha primeira prova de GA... E isso só me fez ver que a culpa era do professor, não minha... hahahahaha

    ReplyDelete
    Replies
    1. Essa foi a minha segunda nota fudida... hahahahahaha
      Po... o meu professor era um maldito colombiano que nem falava português direito... até eu conseguir perceber que "Vê" era B e que "Vezo" era V, eu ja tinha misturados todos os vetores possíveis... Essa realmente foi culpa dele! MALDITO!
      kkkkkkkk

      Delete
  10. Oi Lindona. Eu já passei por algo parecido e isso ajuda a nos situar no universo.
    É muito comum, principalmente na época da graduação, nos achar os sabidões! "Cair do cavalo" ajuda a nos lembrar que não somos nada e ainda temos muito o que aprender na vida!
    O meu último tombo moral está doendo até agora!
    beijos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Pois é... dói mesmo. Aluno de graduação é um saco, por isso entendo a cara de merda com a qual meus professores olhavam pra gente..hehehehe

      Delete
  11. Tirar nota baixa em cálculo, quando a maioria também tirou, nem me abalou TANTO, mas correr sérios riscos de reprovar mexeu muito comigo. Deve ter uns 2 ou 3 textos no meu blog sobre isso. Chorei, fiz mimimi, morri de vergonha e no final me matei de estudar pra recuperar. Pior do que isso, foi reprovar em álgebra sem ter nota suficiente nem pra ir pra recuperação. Hoje em dia lido melhor com essas coisas.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ah, se a gente não acostumar com os nabos da faculdade a gente morre... rsrsrsrs eu me acostumei rápido... foi logo depois dessa nota. hahahha

      Delete
  12. É nesses tombos que aprendemos a lidar melhor com esses sentimentos. O de nos acharmos a rainha do planeta terra. Triste ilusão. Sempre vem algo no futuro, que faz com que levemos um bruta tombo do cavalo.

    Dói, machuca e,depois, percebemos o significado da palavra: humildade!

    Ainda que, posso dizer, de dez pessoas que encontro na rua, 9 não têm um resquício dessa palavra!

    Infelizmente!

    Beijos!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Cair do cavalo é essencial para aprendermos a lidar com a vida, a ver onde erramos, aprendermos a levantar e a não errar de novo.
      E perceber que todos têm o seu valor.
      bjokssssss

      Delete
  13. Nossa Senhora da bicicletinha amarela!!! Se você dissesse que estava contando a minha história eu acreditaria pq comigo aconteceu exatamente assim no curso de física, a diferença é que era um professor, baixinho, com cara de bonzinho (só a cara), Marreiros o nome do desgraçado, e eu tirei a mesma nota, e teve gente que tirou 0,34 (pode isso, Arnaldo??), mas óbvio que tinha um fodástico que tirou 9,2 (o único com nota acima de 6 a propósito). Engraçado que até a primeira prova a aula desse cara era relativamente vazia, depois disso, pense numa sala cheia. kkkkkkk

    ReplyDelete
  14. Acabei de ficar com um zero em sistemas pneumáticos e hidráulica.

    ReplyDelete