Saturday, February 2, 2013

A primeira vez que eu... Pi - blogueira convidada..

A Pi eh minha irma gêmea. Eu a encontrei por acaso, nesses dias em que vou vendo o que as pessoas que eu sigo leem... Nao me lembro qual foi a ordem, mas eventualmente cai no blog dela e ja gostei do nome... Pitacos da Pi!!

E logo pensei... Se ela fizer uma brincadeira com o Pi da matemática ja ganhou uma fã/seguidora/stalker. Foi quando eu vi que não só ela faz uso do Pi matemático, como também tem um gato mostrando o kooh logo na primeira pagina. Pronto!!! Cai de amores. 

Ela tem, senhoras e senhoras, 7 gatos, cachorros, papagaios, galinhas, pintinhos, girafas, elefantes... Ok, a parte dos 7 gatos, dos cachorros, galinhas e pintinhos eh verdade. 

Vale muito visitar o blog dela - aqui - e ler o texto lindo que ela mandou pra Gaiola. Aproveitem!

Ira Fermion


Eu faço coisas pela primeira vez o tempo todo e nem tchum. Não sou das que dá importância para as primeiras vezes, acho-as, normalmente, banais. Mas há algumas, poucas, muito marcantes, como a primeira vez que amei um cachorro.

Eu nunca tinha tido um cachorro, apesar do meu pai - psicótico - ter me dito, quando pedi um, aos 9, que eu tinha tido um fila, aos três anos, e esqueci de dar comida a ele e ele morreu. Ou seja, segundo pápi, eu não era merecedora de ter cachorros. Acreditei nisso até ver um fila, pela primeira vez. Era um cachorro muito grande, muito bruto pruma menina de 3 anos ter matado. Pois é…

Após uma vida de frustração, fui ter meu primeiro cachorro quando me casei. A gente não tinha móveis para por na casa e lá se foi em busca de um cachorro. Meu marido quis uma boxer branca, porque ele gostava da raça. Pra mim, qualquer vira-lata de rua serviria, mas… O cachorro seria mais dele do que meu, porque eu já tinha um gato.

Fomos buscar a Vaca - cujo nome era uma homenagem a uma pitbull de briga, resgatada e ressocializada, que meu marido amou em NY - sem nem saber quem seria ela. Escolheríamos lá, entre duas meninas. Dizem que quando vamos pegar um cachorro, não devemos ficar com o que nos escolhe, porque um cachorro "ousado" é sinal e problemas. A Vaca nos escolheu. Saiu lá do cantinho, onde brincava com os irmãos, e veio até nós. A irmã dela, que teria sido nossa escolha natural, não foi tão simpática e ficou para trás. Nunca nos arrependemos de tê-la trazido para casa!


Putz, como cachorro é diferente de gato. Como é carente, como baba, como pula na gente, como custa a aprender a fazer xixi no lugar certo. Como é irresistível, apesar disso!  A Vaca era adorável. Gostava dos gatos e tinha medo das galinhas - mas comia o cocô delas! Odiava cavalos, bicicletas, entregadores e pinschers. Amava a gente, disso, nunca tivemos dúvida.

A Vaca era família - ou farmília, como diz um amigo. Foi pivô do primeiro desentendimento com os vizinhos - a vizinha achava que a "vaca" que meu marido xingava quando fazia coisas erradas era eu! Mandou o sobrinho vir averiguar. Estava no quadro de funcionários do site da nossa empresa, como mascote. Recebeu e socializou cada cachorro que veio depois dela. Teve lindas filhotes que amamos até que a leishmaniose - praga nessa porcaria de cidade - as levar de nós. Aceitou cada ave e cada gato que aqui chegou. Aceitou até os ataques e unhadas do Pudim, o gato que eu já tinha. 

  
Era muito amada e tão importante que seria nossa dama de honra, quando decidimo-nos oficializar nosso "casamento". Mas fomos adiando o grande dia, sem grana para bancar festança e, de repente, veio o grande C. 

Em outubro de 2011, ela teve uma convulsão. No começo de dezembro, entrou no cio. Seria o último cio dela, pois estávamos dispostos a castrá-la. Passado o período, ela estava inchada. Levamos ao veterinário e o diagnóstico foi devastador: tumores. Grandes chances de serem malignos, grandes chances de metástase e uma imensa possibilidade da convulsão ter sido causada por tumor no cérebro... E o cio ainda injetou uma carga hormonal potencialmente fatal.

Começamos o tratamento no mesmo dia, mas era tarde demais… Então, dia 30/12/2011, aos 5 anos, ela foi pra Fazenda dos Cachorros Felizes, levando uma grande parte de mim com ela… 
A Vaca foi o primeiro cachorro na minha vida e, graças ao que ela me ensinou/proporcionou, não foi a última.


15 comments:

  1. Ai que lindo.
    Eu adoro cachorro justamente pela carência. Acredito que eu e o cachorros nos identificamos devido à isso: A carência.
    Minha poodle morreu a pouco mais de 2 anos. Ela sofreu muito por causa de convulsões, tumores... a família inteira sofreu. Depois disso ainda não tive coragem de ter outro animal.
    bêjo da Cris

    ReplyDelete
    Replies
    1. Funciona, pra mim, a ocupação imediata do espaço que ficou vazio - nunca a substituição do bicho. Senão, a gente se acostuma a não ter mais e, daí, vem o medo de perder de novo... Depois da Vaca veio o Toro. E ele também me faz sorrir!

      Delete
  2. Ai perder o primeiro animal de estimação é tão duro, cruel, mas só colocar um outro bichinho no lugar que tira a tristeza de dentro de nós.

    Adorei ela!

    Kisu!

    ReplyDelete
    Replies
    1. A Vaca foi o primeiro cão, mas houve uma porção de gatos e houve uma porção de cães depois dela. A vantagem de gatos é que são mais fortes, mais resistentes. E minha política é: vai um, vem outro. Mas a tristeza não passa, não...

      Delete
  3. Olá... Eu chegando de fininho e invadindo seu cantinho...

    To passando para divulgar um sorteio lá no meu blog, se você curti unhas decoradas, passa lá

    http://cutetapemeasure.blogspot.com.br/2013/01/sorteio.html#more

    Beijinhos Cute;*

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ah, Cute, que coia feia... Shame on you!

      Delete
  4. As pessoas "normais" nao entende o fato de amarmos e de morrermos um pouquinho, com a morte de tudo que amamos. Marcia

    ReplyDelete
    Replies
    1. As pessoas "normais" são tolas!

      Delete
  5. 1. Adorei vcs colocarem o nome na cachorra de Vaca! Muito original! Aqui em casa nós chamávamos todos os cachorros de Leão, até começarmos a colocar nome de comida: Pimenta e Amora!
    2. O nariz cor de rosa da Vaca quando era filhote é irresistível!
    3. Me corta o coração os bichinhos sofrerem com doenças tão graves. Não dava pra eles não morrerem, ou morrerem de velhice? Muito injusto! :(
    Beijos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Não temos preconceito com nomes! Temos até uma Panqueca! Quando a Vaca tinha uns dois anos, ganhei o Frango, um mestiço de galgo com pitbull. Era coisa linda de deus, mas a mistura não foi boa para a saúde. Era frágil e morreu tão novinho...

      Delete
  6. Estou proibida de comentar sobre cachorros. a minha Mel partiu pro céu dos animais agora no final do ano. E ainda não consegui digerir isso.

    ReplyDelete
  7. Oi Pi. Cheguei aqui tarde por motivos alheios à minha vontade!
    Sempre tive cachorros! Nas minhas lembranças mais remotas tem um cachorrinho! Na minha casa já chegamos a ter 7!
    Como eu sou famosa por ter cachorros, as pessoas sempre me procuram oferecendo porque não dá mais, porque é levado, porque ficou grande demais, porque é destruidor... e eu sempre aceito! =)
    E já tive um boxer amarelo muito dócil chamado Igor. Uma noite eu o predí no muro como de costume. Não sei o que aconteceu, já que ele nunca fugiu de casa e nunca soube dele ter pulado o muro. Mas naquela noite ele tentou e morreu enforcado.
    Meus pais acordaram com os vizinhos que passaram e viram, mas já era tarde demais. Tem alguns anos que ele está na fazenda dos cachorrinhos felizes!
    Beijos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá! Fiquei muito feliz com o convite da Ira e realmente sinto orgulho de estar aqui no cantinho de vocês.
      Tenho 7 gatos. 6 resgatados. Todos foram, se pensar que a única de raça veio da casa da minha sobrinha, onde era chacoalhada e apertada. Eu não posso pegar todo gato que tentam me dar, gatos não são tão sociáveis, entre si... Mas se eu pudesse, se eles deixassem, eu seria uma feliz portadora de hoarding. Com cães eu não tive muita sorte. Cidade foco de Leishmania, mesmo vacinados, alguns morreram disso. Outros, por problemas genéticos. Alguns, simplesmente, tiveram que ser postos à adoção por não se adaptarem à casa/gatos... Mas cada um deles valeu a pena. Bicho é tudo de bom!
      Beijo!

      Delete
  8. Bicho eh tudo de bom! Cheguei de viagem ontem bem tarde e so conseguia apertar os meus gatos? Passamos a noite dormindo abracadinhos, que delicia!
    lindo seu texto! linda a vaca!

    ReplyDelete